Home Loja A1 - DIDÁTICAS E METODOLOGIAS Trabalho de aprendizagem curricular por Projetos no 1.º Ciclo (1.ª edição)
02/12/2021
a Distância

Trabalho de aprendizagem curricular por Projetos no 1.º Ciclo (1.ª edição)

75,00 150,00 

Esta oficina de formação pretende promover práticas de organização das aprendizagens escolares que fomentem o desenvolvimento de competências investigativas, cooperativas e comunicativas no 1.º ciclo, assente numa prática pedagógica de Trabalho por Projetos.

Limpar
REF: FCP092-1 Categoria:
Data Início

02/12/2021

Data Fim

03/03/2022

Duração

25h+25h

Modalidade

Oficina

Regime

a Distância

Destinatários

Grupo 110

Acreditação

CCPFC/ACC-112858/21

D.C.P.

Sim

Formador/a

Luís Filipe Mestre

Preço Associado

75,00 €

Preço Não Associado

150,00 €

NOTA:

Certificado será enviado por email aos formandos com aproveitamento. Caso pretenda via postal, CTT, tem um custo adicional de 5,00€ (despesas envio)

Efetuar inscrição como:

Não Associado, Associado

Sessões síncronas previstas
02/12/2021 das 18h00 às 21h00
09/12/2021 das 18h00 às 20h30
06/01/2022 das 18h00 às 20h30
13/01/2022 das 18h00 às 20h30
27/01/2022 das 18h00 às 20h30
10/02/2022 das 18h00 às 20h30
24/02/2022 das 18h00 às 20h30
03/03/2022 das 18h00 às 21h00

Desenvolver a autonomia, a responsabilidade, a cooperação e a participação ativa dos alunos na apropriação do currículo escolar;
Apoiar o professor no desenvolvimento de competências investigativas nos alunos (planeamento; pesquisa;
Tratamento da informação;
Organização de uma apresentação digital;
Promover a motivação pela aprendizagem escolar através do sentido social das aprendizagens escolares, desenvolvido pela partilha daquilo que os alunos aprendem, ensinando-se uns aos outros;
Desenvolver competências metacognitivas nos alunos (autoavaliar-se e aprender a aprender);
Promover o gosto e interesse pelo aprender e partilha.

1. Trabalho por Projetos, modelos e conceitos;
2. A organização da sala de aula e materiais;
3. Os instrumentos de pilotagem do trabalho;
4. As diferentes fases do Trabalho por Projetos;
5. O papel e apoio do professor;
6. A regulação do trabalho e construção de critérios de avaliação;
7. O tempo de comunicação dos Projetos;
8. O estudo posterior dos temas comunicados.

O formador privilegia a partilha das expectativas e representações prévias que os professores formandos têm a respeito dos vários conteúdos da formação apresentados por si. Em cada sessão, há um tempo próprio para que os professores apresentem e coloquem à discussão entre si, quer os aspetos mais significativos das sessões do Trabalho por Projetos implementado nas suas turmas, quer os instrumentos de pilotagem utilizados e as produções dos alunos realizadas. Paralelamente, leem-se e refletem-se textos teóricos, tal como se privilegia um tempo, preferencialmente no início de cada sessão, para a escrita descritiva e reflexiva sobre todas as mudanças implementadas nas práticas. Com o intuito de promover uma construção contínua, conjunta e partilhada do relatório final, existirão momentos de revisão a pares da escrita construída nas sessões de formação e em trabalho autónomo, tal como o formador dará regularmente feedbacks a essa mesma escrita produzida por cada formando.

Nas sessões de trabalho autónomo, as quais decorrem em alternância com as sessões conjuntas, os professores em formação experimentam na sua sala de aula as sugestões das novas estratégias e instrumentos de pilotagem que são apresentadas e discutidas nas sessões presenciais. Como apoio a toda a mudança exigida, cada um utilizará uma lista de verificação disponibilizada no início da oficina de formação, para que registe frequentemente, não só o que já conseguiu implementar, tal como compreenda o que ainda falta concretizar. Para além disso, entre as sessões, os formandos leem os textos propostos na bibliografia, tal como escrevem, de forma continuada e partilhada com os colegas e formador, o que irá resultar no relatório final a entregar no término da oficina de formação

A avaliação tem carácter qualitativo e quantitativo, escala [0,10], Despacho nº 4595/2015. Consideram-se três critérios: Participação, Trabalho realizado nas sessões e entre sessões, Trabalho Final (2+4+4=10). Participação: Pontualidade (0,16), Intervenções (Pertinência/Clareza) (0,60), Empenho/Iniciativa (0,68), Relação Interpessoal (0,20), Cooperação/Partilha (0,36). Trabalho realizado nas sessões e entre sessões: Conhecimentos Demonstrados /Autonomia (1,50) e Delineamento de Procedimentos/Produção de Materiais (2,50). Trabalho final: Correção Formal (1), Conteúdo (Rigor, Fundamentação, Coerência Interna, Apresentação) (1,5) e Aplicação (1,5). Este incide sobre as vertentes teórica e prática da ação e apresentado sob a forma de Relatório de Reflexão Crítica ou de Relatório de Progresso e Reflexão Crítica Final (podendo completar Portefólios). A estrutura e forma do Trabalho Final Individual seguirão as normas indicadas no documento “Normas de apresentação do trabalho individual”.